A era da Internet Industrial: Entenda por que, e de que forma, você já faz parte dela

Muito se fala sobre Internet of Things, ou, Internet das Coisas, mas o que exatamente representa para o futuro? Marco Annunziata – economista e diretor executivo da GE – General Eletric,  fala no TED sobre como a tecnologia está transformando a indústria, criando máquinas que podem ver, sentir e reagir e, assim, operam de forma mais eficiente transformando nossas vidas.

Nos últimos 200 anos o mundo viveu duas das maiores ondas de inovação. Primeiro a Revolução industrial que nos trouxe máquinas e fábricas, ferrovias, eletricidade, viagem aérea. Depois veio a internet que nos trouxe o poder da computação, rede de dados, acesso sem precedentes à comunicação. Consequentemente, a nossa vida não foi mais a mesma desde que as transformações começaram.

Agora, estamos experimentando outra mudança importante: a internet industrial. Essa nova mudança nos oferece máquinas inteligentes, análises avançadas e criatividade nos negócios. É o casamento da inteligência com as máquinas.

Mas afinal, o que é a internet industrial? As máquinas industriais estão sendo equipadas com um crescente número de sensores eletrônicos que lhes permitem ver, ouvir, sentir muito mais do que nunca, gerando quantidades prodigiosas de dados.

Análises cada vez mais sofisticadas passam por cima dos dados, fornecendo informações que nos permitem operar as máquinas de maneiras totalmente novas, muito mais eficientemente. E não apenas de forma individual, mas frotas de locomotivas, aviões, sistemas inteiros como redes elétricas, hospitais.

É otimização de ativos e do sistema.

Já acontece inclusive um declínio acentuado no custo dos sensores e, graças aos avanços na computação em nuvem, uma rápida redução nos custos de armazenamento e processamento de dados.

Então, estamos nos mudando para um mundo onde as máquinas com as quais trabalhamos não são apenas inteligentes; elas são brilhantes. São autoconscientes, são preditivas, reativas e sociais. São motores a jato, locomotivas, turbinas a gás, dispositivos médicos, comunicando-se perfeitamente um com o outro e conosco.

Está em nossas mãos a nova infraestrutura de máquinas orientada por software que permite que a funcionalidade se torne virtualizada em software, de máquina de desacoplamento de hardware e que nos permitindo monitorar, gerenciar e atualizar de forma remota e automática ativos industriais.

Além do mais, isso também já permite mudar para a manutenção preventiva e baseada em condições, o que significa que as máquinas são reparadas antes mesmo de pararem por conta de algum problema. E isso, por sua vez, está nos empurrando para zero o tempo de inatividade não planejado, o que significa que não haverá mais interrupções de energia, nem mais atrasos nos vôos.

Então, deixe-me dar-lhe alguns exemplos de como essas máquinas brilhantes funcionam, e alguns exemplos podem parecer triviais, alguns são claramente mais profundos, mas todos eles terão um impacto muito poderoso.

Vamos começar com a aviação. Atualmente 10% de todos os vôos são cancelados ou saem com atrasos devido à eventos de manutenção não programados. Isso resulta em oito bilhões de dólares em custos para a indústria aérea globalmente todos os anos, sem mencionar o impacto em todos nós: estresse, inconveniência, reuniões perdidas enquanto nos sentarmos impotentes em um terminal do aeroporto.

Então, como a Internet industrial pode ajudar aqui? Sistemas de manutenção preventiva podem ser instalados em qualquer aeronave. A aeronave, enquanto estiver em voo, se comunicará com os técnicos no terreno. Quando aterrissa, eles já saberão qual serviço deverá ser feito. Só nos EUA, um sistema como esse pode evitar mais de 60.000 atrasos e cancelamentos a cada ano.

Na área de saúde o impacto também é muito grande. Hoje, as enfermeiras gastam uma média de 21 minutos por turno à procura de equipamentos médicos. Isso parece trivial, mas significa mais tempo procurando equipamento do que dedicado para cuidar de pacientes.

O Centro Médico de St. Luke em Houston, Texas, que implantou a tecnologia industrial da Internet para monitorar e conectar eletronicamente pacientes, pessoal e equipamentos médicos, reduziu os tempos de resposta do uso do leito em quase uma hora. Se você precisa de cirurgia, uma hora é importante. Isso significa que mais pacientes podem ser tratados, mais vidas podem ser salvas.

Outro centro médico, no estado de Washington, está pilotando uma aplicação que permite que as imagens médicas dos scanners da cidade e das ressonâncias magnéticas sejam analisadas na nuvem, desenvolvendo melhores análises a um custo menor.

Imagine um paciente que sofreu um trauma grave e precisa de atenção de vários especialistas: um neurologista, um cardiologista, um cirurgião ortopedista. Se todos eles podem ter acesso instantâneo e simultâneo a varreduras e imagens à medida que são tomadas, eles poderão oferecer melhores cuidados de saúde com mais rapidez.

Avanços similares estão ocorrendo em energia, incluindo energia renovável. Parques eólicos equipados com novos monitores remotos e diagnósticos que permitem que as turbinas eólicas conversem entre si e ajustem o tom de suas lâminas de maneira coordenada, dependendo de como o vento sopre, agora pode produzir eletricidade a um custo inferior a cinco centavos por kWh. Há dez anos, esse custo era de 30 centavos, seis vezes mais.

Fonte: SKA

06 de julho de 2018

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias