Brasil fica na posição 62 em Índice Global de Inovação, que avalia 131 países

País subiu quatro posições na comparação com 2019, mas está atrás de nações locais como Chile, México e Costa Rica

O Brasil ficou na 62ª posição o Índice Global de Inovação (IGI), em 2020, subindo quatro posições na comparação com 2019, quando o país ficou na 66ª colocação no ranking que abrange 131 países. Os números foram divulgados hoje (2) pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO, na sigla em inglês). Apesar da melhora em relação a 2019, o país ainda está abaixo da posição que ocupava em 2011, quando ficou na 47ª colocação.

Em relação aos 37 países da América Latina e Caribe, o Brasil aparece na quarta posição atrás do Chile (54º), México (55º) e Costa Rica (56º). No ranking global, os 10 países mais bem colocados do índice são: Suíça, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Singapura, Alemanha e Coreia do Sul.

Na avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), parceira na produção e divulgação do IGI desde 2017, apesar da melhora em relação ao ano passado, a posição do Brasil é incompatível com o fato de o país ser a 9ª maior economia do mundo.

“O Brasil continua numa posição abaixo de seu potencial. Precisamos melhorar o financiamento à inovação, fortalecer parcerias entre governo, setor produtivo e academia, estruturar políticas de longo prazo e priorizar a formação de profissionais qualificados”, disse o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

O relatório destaca que a pandemia do novo coronavírus (covid-19) tende a ser um obstáculo para certas atividades inovadoras, mas ao mesmo tempo catalisa a inventividade em outros setores, notadamente na área da saúde.

“Para a CNI, o papel da inovação se mostra cada vez mais imprescindível diante de um período de incertezas e de retração na economia provocadas pela pandemia. Se de um lado as empresas se veem com possibilidades escassas de investimentos, de outro precisam buscar alternativas para sobreviverem e manterem seus empregados. Daí a necessidade de ser criativo e apostar na inovação como um diferencial para sair mais forte da pandemia”, informou a CNI.

O IGI é composto por 80 indicadores de 30 fontes internacionais públicas e privadas. De acordo com a CNI, desse total, 58 representam dados concretos, 18 são indicadores compostos e quatro são perguntas de pesquisa. A pontuação em cada um dos indicadores é analisada e comparada entre os países, estabelecendo a posição no ranking para cada indicador, subpilar e pilar.

 

Fonte: Computerworld

07 de setembro de 2020

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias