Com teletrabalho, mais de 70% dos usuários admitem não usar antivírus

Devido ao isolamento social, muitas empresas e organizações implementaram o trabalho remoto como uma alternativa para continuar suas atividades. No entanto, de acordo com a opinião de mais de 1.200 usuários que participaram de uma pesquisa realizada pela empresa de segurança online ESET, 42% garantiram que a empresa em que trabalham não estava preparada em termos de equipamento e conhecimento de segurança para telecomunicações no contexto atual.

Ainda conforme a pesquisa, 89,9% dos usuários afirmaram que, desde o início do período de isolamento social, utilizam mais dispositivos eletrônicos. Enquanto 66% dos participantes disseram que estavam trabalhando remotamente como resultado da pandemia, 61% apontaram que a empresa em que trabalhavam não lhes forneceu as ferramentas de segurança necessárias para o teletrabalho. E 65% não receberam informações de sua empresa sobre configurações seguras e boas práticas de segurança. 

Além disso,  84% do público entrevistado trabalha usando seu dispositivo pessoal. Desses, 32% possui uma solução antivírus, 20% tem conexão VPN e 12,5% possui criptografia das informações. No entanto, 51,6% não possui nenhuma das soluções anteriores; 

A necessidade de trabalhar ou estudar remotamente aumentou a exposição a ser vítima de um incidente de segurança. Segundo dados do laboratório da ESET, o aumento na distribuição de malwares que se apresentam como softwares legítimos para videoconferência envolveu o Zoom, mas também o GoToMeeting ou Microsoft Teams, entre outras ferramentas. Nesse sentido, de acordo com os dados da pesquisa, mais de 85% dos pesquisados ​​afirmaram ter baixado aplicativos ou ferramentas que não haviam usado anteriormente para executar suas tarefas. Embora 54% tenham confirmado que o download é realmente seguro, 38% disseram que não o verificaram.

Além disso, pelo menos desde março, a ESET observou o aumento nas campanhas de phishing que tiram vantagem da pandemia de Covid-19 como parte de sua engenharia social. Desde e-mails de phishing que tentam infectar vários tipos de malware, até campanhas de engenharia social, através de aplicativos como o WhatsApp, que procuram roubar informações dos usuários ou distribuir publicidade invasiva. De acordo com os usuários pesquisados, 44% afirmaram ter recebido e-mails de phishing que usavam o tema Covid-19 como uma estratégia de engenharia social.

 

Fonte: Convergência Digital

14 de julho de 2020

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias