Mercopar abre em Caxias do Sul agenda de feiras industriais do País

A Mercopar foi destacada nos discursos de abertura, nesta terça-feira (17), pela sua condição de primeira feira do setor industrial realizada no Brasil na pandemia do coronavírus e que segue protocolos sanitários determinados pelos governos municipal e estadual.
 
A solenidade ocorreu em espaço fechado, com número limitado a 70 participantes, a maioria representantes políticos e de entidades empresariais, com higienização do microfone a cada discurso – outro grupo, com número maior de pessoas, acompanhou por telão a solenidade do lado de fora da Arena Mercopar.
 
“Decidimos pela realização da feira há 50 dias e a concretizamos cumprindo todas as determinações sanitárias acordadas com o Estado”, afirmou Gilberto Petry, presidente do Sistema FIERGS e do Conselho Deliberativo do Sebrae RS.
 
Salientou que esta edição, ao contrário de anos anteriores, não será para visitação, mas para um público interessado em fazer negócios, pois existe limitação para a presença de 1,7 mil pessoas simultaneamente nos espaços de exposição no Parque de Eventos da Festa da Uva, em Caxias do Sul.
 
A expectativa é que 10 mil pessoas circulem pela área até a quinta (19), média de 3,4 mil por dia, divididos em dois turnos. Segundo Petry, as inscrições já feitas virtualmente estão próximas deste número. Em anos anteriores, a feira recebia em torno de 4 mil pessoas por dia.
 
O prefeito Flávio Cassina comentou a importância do evento do porte da Mercopar para Caxias do Sul, o primeiro na pandemia, mas sem esquecer os cuidados necessários. Destacou o ano atípico, em que o município foi castigado com enchente, seca histórica e ciclone bomba, além da Covid-19, área para a qual os esforços foram concentrados.
 
Cassina também citou números sobre o empreendedorismo da cidade, como a criação, neste ano, de 8.846 empresas, das quais 5 mil como microempreendedor individual (MEI), e o fechamento de 3.170. Lembrou que Caxias do Sul tem mais de 67 mil empresas ativas, sendo 33 mil MEIs.
 
“A economia foi afetada pela pandemia e perdemos muitos empregos. Mas o momento é de retomada e adotamos postura de cautela positiva para os próximos meses”, ressaltou.
 
Para o presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, o retorno às atividades está sendo possível a partir da construção conjunta de protocolos e regras, os quais permitem a realização de feiras, como Mercopar, além do Festuris e Zero Grau, em Gramado. Para ele, caso não fossem adotadas estas medidas, muitas atividades acabariam sendo realizadas na informalidade.
 
“Esta feira é sinal de que a economia está voltando de forma mais consistente”, registrou. Representante do Sebrae nacional, o diretor técnico Bruno Quick destacou a coragem da realização da feira presencial, que conciliou equilíbrio econômico com cuidados de saúde, fazendo com que a Mercopar torne-se exemplo para eventos futuros.
 
O governador Eduardo Leite encerrou a solenidade com discurso de quase 40 minutos, em que abordou questões relacionadas à pandemia e seus efeitos na saúde e economia, bem como medidas em andamento para recuperar a situação financeira do Estado, citando as privatizações e concessões, e as já concluídas, como a Reforma da Previdência.
 
Argumentou que as medidas sempre foram adotadas de forma coletiva para encontrar a melhor alternativa para cada momento. “O modelo de distanciamento controlado, que posteriormente serviu de referência para outros estados, é exemplo. Fomos ajustando as liberações conforme a pandemia ia se comportando.
 
A principal função do modelo era conter a disseminação do vírus, enquanto se reforçava a estrutura de saúde, como a duplicação do número de leitos em unidades de terapia intensiva”, afirmou.
 
Ao falar sobre a Mercopar, assinalou que ela alavanca a capacidade produtiva para a qual o estado está vocacionado. “O desenvolvimento econômico é uma grande agenda do governo. Estamos voltados não apenas para enfrentar o problema fiscal, mas para fazermos isso com vistas a melhorar o ambiente de negócios”, afirmou.
 
Feira terá 120 horas de conteúdo
O diretor técnico do Sebrae, Ayrton Pinto, comentou que a programação da feira tem 120 horas de conteúdo por meio de diferentes ações, além do agendamento de 2,2 mil rodadas de negócios entre expositores e perto de 140 compradores, dos quais nove de outros países, que participam virtualmente. As atividades paralelas estão programadas no Fórum Encadear Summit, Salão de Inovação e Jornada 4.0.
 
A Mercopar deste ano reúne 235 expositores, número 25% inferior à passada, mas mantendo praticamente a mesma área de 15 mil metros quadrados. Dentre os expositores, há 44 startups e mais 52 empresas que foram auxiliadas pelo governo do Estado. Do total, 42 organizações são de outros nove estados.
 
A feira seguirá até amanhã, com funcionamento das 14h às 20h. A inscrição deve ser feita pelo endereço bit.ly/CredenciamentoMercopar. As atividades podem ser acompanhadas ao vivo a partir de cadastramento em bit.ly/MercoparDigital.
 
 
 
Fonte: Jornal do Comércio
 
17 de novembro de 2020

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias