O que vai ser da folha de pagamentos?

O setor de TI voltou a enfrentar a incerteza sobre o futuro da política de desoneração da folha de pagamentos.

Nesta segunda-feira, 07, o presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia, admitiu publicamente que não haverá “tempo hábil” para a votação da medida provisória da reoneração atualmente em tramitação na casa, cujos efeitos vencem nesta quinta, 10.

Na terça-feira, 08, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante encontro na Confederação Nacional da Indústria, afirmou que o governo deve apresentar um novo projeto de lei para substituir a medida provisória, com as mesmas condições da MP.

O problema para o setor de TI é saber de qual MP Meirelles está falando: se a proposta original do governo ou a emendada dentro da comissão mista do Congresso, cuja aprovação acaba de ser descartada por Maia.

O projeto original do governo era duro. Cortava a desoneração de 50 setores, preservando apenas transporte público urbano, construção civil e comunicação.

Na comissão mista, foram incluídos ainda setores de tecnologia da informação e comunicação, call center, projeto de circuitos integrados, couro, calçado, confecção/vestuário e as chamadas “empresas estratégicas de defesa”.

Com isso, os setores podem pagar uma alíquota variável entre 1,5% e 4,5% sobre o faturamento bruto das empresas no lugar antiga contribuição de 20% da folha. O setor de TI ficou na faixa mais alta, com 4,5%.

O setor de TI começou a se mexer novamente para garantir sua permanência entre os beneficiados da desoneração, com Abes, Assespro Nacional e Fenainfo divulgando uma carta enviada ao presidente Michel Temer.
Essas são as preocupações no longo prazo. Curto prazo, a MP do governo (a versão que tirava o setor de TI da desoneração) vigorou durante o mês de julho e Receita Federal pode buscar esse dinheiro.

A alternativa do setor será se apoiar em um mandado de segurança, pedido pela Brasscom, que veda temporariamente a cobrança sobre as empresas do setor.

A reintrodução do setor de TI entre os desonerados foi uma grande vitória para o lobby das empresas brasileiras de tecnologia, que organizaram uma mobilização sem precedentes em torno do tema.

Em uma atitude inédita, os CEOs da Stefanini, Totvs, BRQ e Resource, quatro das maiores empresas de TI do país, organizaram uma coletiva para defender as desonerações em abril, por exemplo.

Resta saber se o avanço feito será conservado em uma nova redação da medida por parte de um governo federal em busca desesperada por arrecadação.

Baguete

09 de agosto de 2017

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias