Gartner: Gastos mundiais de TI atingirão US$ 4,5 trilhões, com alta de 3%

Os gastos mundiais com TI devem atingir os US$ 4,5 trilhões em 2022, representando um aumento de 3% em relação a 2021, estimou previsão do Gartner. Entretanto, apesar do crescimento, o ritmo será muito mais lento do que no ano passado, ponderou a consultoria. Essa desaceleração se deve, principalmente, aos cortes de gastos em PCs, tablets e impressoras por parte dos consumidores, fazendo com que os gastos com dispositivos diminuam cerca de 5%.

“A inflação é uma preocupação global. Os bancos centrais de todo o mundo estão se concentrando no combate à inflação, com a expectativa de que as taxas gerais de inflação sejam reduzidas até o final de 2023. No entanto, os níveis atuais de volatilidade observados tanto na inflação quanto nas taxas de câmbio não devem impedir os planos de investimento dos CIOs (Chief Executive Information) para 2022”, afirma John-David Lovelock, Analista e Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “As organizações que não investem no curto prazo provavelmente ficarão para trás no médio prazo e correm o risco de não existir no longo prazo.”

Nuvem em alta

Na análise do Gartner, os aumentos de preços e as incertezas exacerbadas pela invasão russa à Ucrânia aceleraram a transição na preferência de compra entre CIOs e empresas em geral, de propriedade para serviço – elevando os gastos com Nuvem para um crescimento de 18,4% em 2021 e um aumento esperado de 22,1% em 2022.

A demanda por serviços em Nuvem também está levando os gastos com servidores a um crescimento de 16,6% em 2022, à medida que os hiper escaladores constroem seus data centers.

Já os gastos com Data Center devem representar o crescimento mais forte de todos os segmentos em 2022, com 11,1% de aumento. A consultoria e implementação de Cloud e serviços gerenciados em Nuvem devem crescer 17,2% em 2022, saltando de US$ 217 bilhões em 2021 para US$ 255 bilhões em 2022, movimento que irá ajudar a impulsionar os serviços de TI como um todo para um crescimento de 6,2% em 2022.

Escassez de talentos deve continuar até 2023

Na previsão do Gartner, a escassez crítica de habilidades de TI, sentida em todo o mundo, deve diminuir até o final de 2023, quando o esforço corporativo para concluir as transformações digitais diminuir e houver tempo para requalificação e reformulação da equipe existente. No entanto, no curto prazo, os CIOs serão forçados a tomar medidas para equilibrar o aumento da demanda de TI e a diminuição dos níveis de pessoal de TI.

O mercado de trabalho de TI continua apertado, dificultando a atração e retenção de talentos. A Pesquisa Global de Mercado de Trabalho da Gartner mostrou que a remuneração é o principal fator de atração e retenção de talentos de TI.

Segundo o Gartner, os fornecedores de serviços de tecnologia estão aumentando os preços de TI para permitir salários competitivos. Isso está gerando um aumento nos gastos com software e serviços até 2022 e 2023. Os gastos mundiais com software devem crescer 9,6%, para US$ 806,8 bilhões em 2022, e os gastos globais com serviços de TI devem chegar a US$ 1,3 trilhão.

“Além disso, os CIOs estão usando mais serviços de TI para ajudar na falta de uma equipe de TI qualificada. Tarefas que exigem conjuntos de habilidades menores tendem a ser terceirizadas para empresas de serviços gerenciados para aliviar o tempo da equipe, enquanto o trabalho de estratégia crítica, que requer habilidades de alto nível inatingíveis por muitas organizações, será cada vez mais realizado por consultores externos”, diz Lovelock.

 

  • Fonte: ITForum.com.br
  • Imagem: Freepik
  • 19 de julho de 2022

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias