Pacto Alegre aprova sete novos projetos que prometem melhorar o futuro da Capital

Após a aprovação das propostas, novas reuniões serão marcadas, ainda neste mês, para que o grupo possa montar um plano de ação para cada uma

A Mesa do Pacto Alegre aprovou, durante reunião nesta quinta-feira (2), os sete projetos que pretendem moldar e melhorar o futuro da Capital. A iniciativa é formada por entidades públicas e privadas, incluindo empresas e universidades gaúchas, no intuito de estimular o empreendedorismo e o desenvolvimento de propostas que tragam melhorias para o município.

Os projetos abrangem diferentes aspectos da cidade e têm o objetivo de torná-la mais moderna e preparada para os próximos anos (confira abaixo o que propõe cada um deles). A quinta reunião do grupo ocorreu no Plaza São Rafael.

O evento serviu para que a coordenação do Pacto apresentasse as sete propostas, que foram idealizadas em conjunto por representantes da Aliança pela Inovação, composta por universidades, e integrantes da prefeitura. Os projetos buscam mudar a forma de pensar o município, construindo um modelo mais estratégico para estruturar Porto Alegre para o futuro, e se propõe a buscar soluções para diversas áreas da Capital.

Após a aprovação das propostas, novas reuniões serão marcadas, ainda neste mês, para que o grupo possa montar um plano de ação para cada uma. A agenda dos encontros deve ser divulgada pela iniciativa nos próximos dias.

Coordenador do Pacto, Luiz Carlos Pinto da Silva Filho comemorou a aprovação e projetou que as propostas trarão benefícios mais práticos à cidade. Segundo o coordenador, que foi anunciado como novo secretário do gabinete de Inovação da Capital durante o encontro, as ações irão modernizar a administração pública.

— Nossos projetos foram aprovados e agora iremos começar a colocá-los em prática. Temos destaque para o Cidade Educadora, que teve 100% de apoio da mesa, e é uma proposta muito simbólica e que visa engajar as pessoas na construção da cidade, assim como a grande votação do POA 250 + 10, que serve para nos fazer pensar na cidade que queremos. A nossa ideia é mostrar para o mundo que Porto Alegre é um lugar em que a gente quer que os talentos estejam — disse Silva Filho.

À frente do Sindilojas, Paulo Kruse, que também integra a mesa do Pacto, destacou o caráter colaborativo do trabalho e os ganhos para a cidade:

— Esse é um movimento de toda a sociedade, que não tem um protagonista. É feito por diversas entidades, pensando em conjunto, e o resultado disso é que os projetos irão beneficiar todos os cidadãos de Porto Alegre e, por fim, a cidade.

Secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia do RS, Luís Lamb, que também esteve no evento, afirmou que a inovação deve ser pensada sobre diferentes óticas e que ela “não se restringe à tecnologia da informação”:

— As novas tecnologias devem ser aplicadas em diversos setores. A inovação pode acontecer na realidade urbana, na realidade social e, principalmente, deve impactar a qualidade de vida das pessoas.

— Estamos em um processo de consciência coletiva, em que não há futuro sem essa união — resumiu o especialista espanhol em revitalização urbana Josep Piqué, que atuou por 25 anos como secretário de Crescimento Econômico e Inovação de Barcelona, na Espanha, e também foi mentor de iniciativas que transformaram a realidade naquela cidade e em Medellín, na Colômbia.

Também estiveram no evento o prefeito da Capital, Sebastião Melo, e o vice, Ricardo Gomes, além de representantes de entidades, empresas e universidades que integram a iniciativa, como do Sebrae, INOVA RS, Federação de Indústrias do RS (Fiergs), Universidade Federal do RS (UFRGS), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS). O Grupo RBS foi representado pelo seu presidente-executivo, Claudio Toigo Filho.

Abaixo, confira quais são os sete projetos aprovados: 


1 – Cidade Educadora

A ideia é tornar Porto Alegre referência no contexto das cidades educadoras, preparando jovens, servidores públicos e cidadãos em geral para o futuro de cidadania digital, consolidando a lógica de engajamento permanente com a construção da cidade. Esse projeto tem o intuito de consolidar a Capital como um exemplo de Cidade Inteligente, Inclusiva e Educadora (Smart and Inclusive Learning City).

Objetivos

  • Montar agenda de ações integradas visando avançar o conceito e fazer de Porto Alegre um exemplo de mobilização no âmbito da Rede de Cidades Educadoras
  • Estimular o aprendizado pela vivência e experimentação de espaços criativos da cidade (universidades, ecossistemas de inovação, museus, planetário) e de experiências culturais diversas (cultura maker, música etc.)
  • Estabelecer um modelo de educação que englobe toda a cidade, transbordando os muros da escola
  • Promover o pertencimento, o direito à cidade e a formação cidadã para todos, especialmente os jovens
2 – CENTRO+

Proposta voltada para o centro da cidade, o projeto pretende ampliar a vivência e experimentação da região, visando incrementar turismo, visitação, investimentos e moradias.

Objetivos

  • Estimular pessoas a retomarem as vivências do Centro
  • Gerar novas experiências e melhorar a infraestrutura, fazendo do coração da cidade um espaço inovador, vibrante e atraente
  • Estimular investimentos e atração de moradores para o Centro
  • Gerar espaços icônicos e experiências múltiplas, estruturando produtos turísticos e atrações para visitantes e moradores de Porto Alegre
  • Resgatar as memórias e o carinho/cuidado pelo centro da cidade
3 – Territórios criativos

Estimular a transformação da cidade por meio da consolidação e expansão de ações de inovação, criatividade e empreendedorismo em territórios estratégicos.

Objetivos

  • Reconhecer, estruturar e alavancar o potencial dos territórios criativos de Porto Alegre
  • Promover desenvolvimento e transformação rápida dos territórios da cidade, com estímulo à implantação de novos arranjos produtivos, culturais e educativos, com foco na inovação e criatividade
  • Estimular o engajamento das diferentes áreas da cidade na estratégia de melhoria da qualidade de vida pela inovação
4 – Aprendizados da pandemia

A proposta pretende avaliar os impactos causados pela pandemia da covid-19 na saúde e na educação de moradores da Capital, no intuito de aprender e preparar a cidade para possíveis novas pandemias e crises sanitárias.

Objetivos

  • Mapear o efeito acelerador pela pandemia no uso de tecnologias digitais nas áreas de saúde e educação pública
  • Estabelecer cuidados e planejamentos necessários no pós-pandemia, para aumentar a resiliência e capacidade de resposta a novos choques
  • Estudar e implantar mudanças que promovam avanços no acesso e qualidade dos serviços de saúde e educação pública com apoio de tecnologias digitais e inovação
5 – Cidade das startups (Startup city)

A proposta é tornar Porto Alegre líder nacional e referência internacional na geração de negócios inovadores (startups).

Objetivos

  • Aumentar o número de startups e empreendimentos em Early-Stage Funding
  • Aumentar o senso de empreendedorismo
  • Aumentar a conexão do ecossistema de geração de startups para acelerar o ritmo de indução de novo empreendimentos
6 – POA 250 + 10 (Porto Alegre que queremos)

A ideia é estimular uma visão de futuro e estruturar um processo de planejamento de ações de longo prazo que tragam benefícios para a cidade.

Objetivos

  • Promover um processo de pensar estratégico para o desenvolvimento da cidade
  • Identificar e consolidar valores simbólicos e característicos de POA (cidade voltada para o rio, cidade da inovação, cidade da saúde, cidade educadora etc.)
  • Estimular reflexões sobre a estruturação de serviços e sistemas vitais da cidade (mobilidade, matriz econômica, iconicidade, paisagem urbana etc.)
  • Articulação de ações de desenvolvimento com sustentabilidade, inclusão, diversidade, cidadania e pertencimento
7 – POA Digital

O projeto tem o objetivo de promover o direito à cidade pelo estímulo e suporte à cidadania digital e aos serviços digitais.

Objetivos

  • Implantar o conceito de cidade na palma da mão
  • Promover uma nova experiência de cidadania
  • Estabelecer uma estratégia de cidade digital inclusiva
  • Gerar ambiente digital de serviços e informações que tornem a vida na Capital mais atrativa e simples, colaborando para a atração e fixação de talentos na cidade

 

  • Fonte: gauchazh.clicrbs.com.br
  • Foto: Giulian Serafim / PMPA
  • 02 de setembro de 2021

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias