Pessoas com deficiência ocupam apenas 1% das vagas de empregos formais no Brasil

Terça-feira (21) é o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

O Brasil possui mais de 45 milhões de habitantes com algum tipo de deficiência, o equivalente a cerca de 25% da população. Apesar disso, apenas 1% das vagas de empregos formais no país é ocupado por pessoas com deficiência (PcDs), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

À véspera do Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, nesta terça-feira (21), os dados reforçam a importância da diversidade e inclusão nas empresas para o acolhimento desses profissionais.

“Pessoas com deficiência encontram inúmeras dificuldades ao procurarem uma vaga de emprego. Um dos principais empecilhos é, justamente, o preconceito e a ignorância do contratante”, comenta Carine Roos, CEO e fundadora da consultoria Newa, especializada na capacitação de líderes e colaboradores para promoção da diversidade, inclusão e inovação nas organizações.

Atualmente, menos de 10% dos profissionais que têm algum tipo de deficiência ocupam postos de liderança nas empresas, segundo pesquisa realizada em 2019 pela consultoria Santo Caos, em parceria com o portal de vagas de emprego Catho. “A inclusão tem a ver com proporcionar um ambiente com oportunidades iguais para todos. Não é possível criar inclusão nas organizações sem a participação dessas pessoas”, afirma Roos.

Um dos principais instrumentos de garantia dos direitos das pessoas com deficiência, a Lei de Cotas (8231/91) completou, no mês passado, 30 anos de vigência. Apesar de avanços já conquistados, ainda não estão preenchidos os 47% das vagas que, por lei, deveriam ser destinados a esses profissionais nas companhia. Hoje, a legislação reserva, a esse público, de 2% a 5% das vagas nas corporações com mais de 100 funcionários.

Para que a atual realidade seja transformada, a CEO da Newa comenta alguns pontos de atenção: “Precisamos tratar o tema de forma estratégica, a fim de promover ações que, de fato, tenham uma inclusão produtiva dessas pessoas. Nenhuma organização se torna diversa e inclusiva do dia para a noite. É necessário intencionalidade, engajamento, capacitações e sensibilizações de líderes e times, para que se construa um ambiente saudável para todos”.

 

  • Fonte: Administradores.com.br
  • Foto: Administradores.com.br
  • 20 de setembro de 2021

NOTÍCIAS RECENTES

Associados

Parceiros

Assessorias